quinta-feira, junho 17, 2021
InícioArtigosZé Cheiroso

Zé Cheiroso

Não fosse pela sua forma gentil, comunicativa e culta de ser, nosso personagem seria mero desconhecido, quiçá, um mendigo. Na minúscula cidadezinha nos idos de 1960, se passou esta curiosa e intrigante história.
osvaldopiccinin

Assim que chegou com seu kit andarilho: vestes surradas cheirando a gambá, mala sem alça nas costas e sapatos com ventilação para os dedos minguinhos, ganhou de pronto o apelido de – Ze Cheiroso.

Banho, uma vez por quinzena senão estragava a pele. Desodorante e higiene bucal nem pensar – causavam câncer na gengiva, profetizava o nosso mais novo habitante. Fumava feito um caipora, mas tomava pouca cachaça –, uma lapada no almoço outra no jantar. Almoço? Jantar? Raramente alguém o via comendo, mas com certeza alguma boa alma sempre lhe dava um prato de comida, discretamente, devido ao seu orgulho em aceitar “esmolas”.

Dizia que deixou o curso de direito no quarto ano, pela decepção amorosa sofrida. Sua noiva lhe trocou por outro marmanjo, dias antes do casamento. Desiludido, deixou tudo para trás e resolveu vagar a esmo pelo mundo. Para nós, era muito difícil entender sua insana atitude. Como alguém, quase advogado, poderia ter cometido tamanha estupidez?

Sua verve fluía de forma ordenada e com perfeita entonação de voz. Todos paravam para ouvi-lo. Tanto é verdade que até cogitou – se dar-lhe um banho de loja e lança-lo candidato a vereador. Mesmo duvidando da veracidade dos seus “causos”, viajávamos aos lugares por ele descritos, como se lá estivéssemos.

Os poucos proprietários de caminhões que havia na cidade, quando em viagem para a capital São Paulo, o convidavam para ser o guia – conhecia a cidade na palma da mão. Entre muitas coisas que fez na vida, uma delas foi ser caminhoneiro. Dizia também ter sido chefe de gabinete de um senador famoso na época – Auro de Moura Andrade.

Cheiroso tinha sempre uma frase de efeito na ponta da língua para as mais diferentes situações. Quando questionado qual a razão de ter deixado sua herança para traz, dizia – nos que seu pai era um homem de posse, respondia com seu largo sorriso. – Sou um sujeito rico atualmente, antes sim eu era pobre, meu pai foi um homem difícil de lidar, nunca tive liberdade. O dinheiro é ótimo, quase perfeito. Ele é capaz de tirar a pessoa da pobreza, mas nunca será capaz de tirar a pobreza da pessoa!

Gostava de citar a frase e por vezes seu autor: “amo a liberdade, por isso, as coisas que amo, deixo – as livres, se elas voltarem a mim é porque as conquistei, se não voltarem, é porque nunca as tive”. Assim era Zé Cheiroso, um frasista nato!

Gentil e de bom coração ao extremo, dividia o único pedaço de pão com qualquer um que se aproximasse, enquanto comia. Para se multiplicar, o primeiro passo é saber dividir, nos ensinava. Ao ver uma pessoa mais velha carregando objetos, logo se oferecia para ajudar e não media esforço para deixar a encomenda em seu destino final.

Numa manhã de inverno, o madrugador e pontual Cheiroso, não apareceu em frente do pequeno armazém, onde fazia ponto. O cadê o Zé, cadê o Zé, tomou conta da cidade. – Alguém sabe onde ele mora?

Ninguém sabia, porque ao escurecer o Zé sumia igual uma folha de papel ao vento. De repente surge um jovem e diz: – eu sei onde ele mora. – Então diga. – Mora no cemitério. – Como assim? – Eu o vi pulando o muro ao anoitecer, e pulando de volta ao amanhecer. – Vamos dar uma procurada, então, retrucou o coveiro interessado em seu paradeiro.

Lá estava o coitado do Zé, já sem vida e enrolado num roto cobertor, embaixo da marquise do mausoléu de família tradicional. A comoção foi geral. Agora surge a pergunta. Quem irá cuidar do entêrro do pobre? – Roupas para vesti-lo alguém tem?

Em poucos minutos chegou toda indumentária solicitada para trocá-lo. Sapatos, terno, camisa e gravata. De barba feita e os cabelos aparados, o pobre ficou elegante e com leve sorriso, assim como foi em vida.

Guardei para sempre mais uma de suas frases: – “É simples ser feliz. Difícil é ser simples”!

E VIVA O ENIGMÁTICO ZÉ CHEIROSO!

[testimonials margin_top=”” margin_bottom=””][testimonial name=”Osvaldo Piccinin” company=”” href=”” image=”https://mineiros.com/wp-content/uploads/2014/03/osvaldopiccinin2.jpg”]
Osvaldo Piccinin, engenheiro agrônomo, formado pela USP-Esalq, em 1973. Natural de Ibaté, é empresário e agricultor e mora em Campo Grande/MS, colunista do site Mineiros.com, email: osvaldo.piccinin@agroamazonia.com.br.
[/testimonial][/testimonials]

Mineiros.com
Conhecida como "cidade saúde", acolhedora e em rápida evolução e crescimento, antigamente denominada a Princesinha do Sudoeste, Mineiros convida todos a uma visita para conhecer e investir nessa promissora cidade. Curta e contribua com o site enviando suas histórias, fotos e sugestões.
RELATED ARTICLES

Most Popular

Recent Comments

Walley Marlos Pereira on José Alves de Assis
Marisley Gomes Martins on José Alves de Assis
Pedro Nicomedes de Rezende on José Alves de Assis
Pedro Carlos Cunha on Dom Eric Deichman & Lavoura
Rildo Rodrigues de Oliveira on Martiniano José da Silva
Rizan Luiz Pereira on Mercadão Municipal de Mineiros
laurecy cabral de mello on Martin Doido
antonio elviro de rezende on Mercadão Municipal de Mineiros
Diomar Rodrigues da Silva on Cachoeiras e riachos belíssimos em Mineiros
claudionor ramos goes on Dom Eric Deichman & Lavoura
Lucinda Freese Alves on Martin Doido
Jailton Araujo on Martin Doido
gilzete on Martin Doido
elias on Martin Doido
NARA RÚBIA on Time dos Gordos – 1964
Vinícius de Queiroz Rezende on Mineiros de Antigamente – Praças
Solene Lopes de Oliveira on Mineiros de Antigamente – Praças
jeovargues b resende on Martin Doido
angela.aparecida.sabina dos santos on Martin Doido
Norma Ataídes Ferreira Mota. on Time dos Gordos – 1964
juraci alves de alcantara on Fundador de Mineiros
degleiber de oliveira on Time dos Gordos – 1964
Carlos |Alberto Flores Chaves on Mineiros de Antigamente – Prefeitura & Comiva
marcelo de oliveira sousa on Mineiros de Antigamente – Praças
WAGNER IRINEU SOUSA on Mineiros de Antigamente – Praças
valter machado costa on Martiniano José da Silva
eide araujo on Mineiros1941-7
Josias Dias da Costa on Mercadão Municipal de Mineiros
João Bosco Barbosa de Souza on Cachoeiras e riachos belíssimos em Mineiros
Ivan Ferreira Domingues on Mineiros de Antigamente – Fotos Aéreas
Mineiros.com on Fundador de Mineiros
silverio on Fundador de Mineiros
Josias Dias da Costa on Fundador de Mineiros
wesley martins da silva on Paulo Freire
jonnathan on Paulo Freire
Celino Alexandre Raposo on Paulo Freire
Nice on Paulo Freire
Rita de Cássia Martins Medeiros Costa on CAD – Cidadania com Amor e Disciplina
Maryland on Paulo Freire
ilcilene ferreira de sousa on A escola serve para que?
ilcilene ferreira de sousa on Mãe e Aluna sobre disciplina do CAD Tol. Zero
Marta Maria de Paula Aragão on CAD – Cidadania com Amor e Disciplina