quinta-feira, dezembro 2, 2021
InícioArtigosIntrodução ao estudo da educação em Mineiros - IV

Introdução ao estudo da educação em Mineiros – IV

A partir de 1940, a história da Educação em Mineiros passou a ser enriquecida, com o surgimento de escolas públicas e privadas. Éramos mais de seis mil habitantes. Comarca criada e instalada (1944); Rodovia “Sul-Goiana” (1918), Rio Verde-Mineiros, mesmo que precária, passava por aqui na direção de Três Lagoas, no Mato Grosso, ora do Sul, pela qual Pedro Ludovico se deslocou de Rio Verde para inaugurar o primeiro Grupo Escolar estadual que tomou seu nome em Mineiros, assim como fez com relação ao Fórum e à Prefeitura. Dentre outros fatores, internos e externos, foi assim que, além do Grupo escolar citado, em 1948, Benedito Rodrigues de Siqueira, vindo de Cuiabá-MT, a pedido do general Rondon, para instalar fios telegráficos no trajeto Mineiros-Alto Araguaia, optou por morar em Mineiros, onde fundou a escolinha que tomou seu nome “Escola do Siqueira”, instalada na própria casa da Rua 15 de Novembro, ora Rua 14, sem alma e sem história, na qual conheceu e se apaixonou pela aluna do Bairro Matão, Arlinda “Rodrigues de Siqueira”, apelido carinhoso “Fiica”, com a qual se casou e fez amizades na cidade, onde continuou proferindo aulas particulares, durante anos, inclusive para os filhos, nas primeiras letras e curso de admissão, preparado com ardor, cujos exames eram feitos noutros municípios.MartinianoJSilvaMineiros

Nesse contexto, surgem na década de 1950, duas importantes escolas: o Instituto Erasmo Braga, particular, de que ainda falarei; e Ginásio Santo Agostinho, pública, objeto dessa abordagem. Parta de quem for a ideia de fundar e instalar um curso ginasial em Mineiros, de Silvestre da Costa Lima, apelido “Nego Costa”, por exemplo, prefeito entre 1951 a 1953, como é uma das versões; o certo é que a Lei n° 48, de 4 de março de 1950, que criou o Ginásio Municipal denominado “Santo Agostinho”, foi sancionada e assinada pelo prefeito Abel Martins Paniago (UDN/1947-1951), sendo ele, portanto, no mundo político-legal, o pai da criança; quando se saia de um dos períodos mais truculentos na interventoria de prefeitos nomeados, para um outro, também sombrio, de mortos e feridos, cuja história e seus segredos, são desafios a serem desvendados. Na mesma data de criação do Ginásio, fez-se a Lei n° 49, sancionada em 11 de março do ano citado, criando e regulando no município o “Fundo Pró-Construção do Ginásio Municipal Santo Agostinho”, ainda assinada pelo prefeito Abel Martins Paniago e secretário, Augusto Rodrigues. Dentre outras providências, definia como era constituído o Fundo, a procedência das verbas, que podiam ser federais, estaduais, municipais e particulares. Para execução do trabalho, foi nomeada uma Comissão, denominada “Construtora do Ginásio Santo Agostinho”, assim constituída:

Presidente: dr. Francisco Filgueiras Júnior; secretário: Antônio Paniago; tesoureiro: Altino José de Souza (falecido); diretor técnico: Dante Moscone (falecido); diretor administrativo: Barta Simão, fotógrafo (falecido). Aos 15 de maio de 1950, ocorreu a primeira reunião da Comissão Construtora, que decidiu executar o trabalho por etapas, começando com apenas três cômodos, com base nos seguintes recursos: Cr$ 100.000,00 (cem mil cruzeiros), doados pelo Estado; Cr$ 18.627,00 (dezoito mil, seiscentos e vinte e sete cruzeiros), doados pela Paróquia de Mineiros ou Matriz; e o restante através de donativos pelo povo do município. Em 1955, já se pode realizar os primeiros exames de admissão e em 21 de fevereiro do ano seguinte (1956), quando foram matriculados os primeiros alunos e se iniciaram as aulas para os alunos da 1ª Série Ginasial, sob comando da primeira-diretora, a senhora Maria Zaida Veloso Rahall, esposa de dr. Suhail Rahal, vereador na época, conceituado médico, com dr. Francisco Filgueiras, fundador do Hospital Samaritano, merecendo dizer-se que foi dr. Suhail, na afirmação do rev. Eudóxio Mendes do Santos, quem tomou a iniciativa e se articulou para trazer inspetor do Rio de Janeiro para atender o Santo Agostinho, sendo que em 1959, já se formava a 1ª turma do curso ginasial, tendo como paraninfo de Honra, José Alves de Assis, até o momento, considerado a maior autoridade política de Mineiros.

Pela Lei Municipal n° 121, de 31 de outubro de 1955, sancionada pelo prefeito José Feliciano de Morais, em 1º de novembro do mesmo ano, a Prefeitura Municipal foi autorizada a manter o Ginásio Municipal Santo Agostinho, dizendo o artigo 2º: “Somente à Prefeitura cabe a administração do referido Ginásio, ficando ainda, a mesma, autorizada a efetuar todos e quaisquer atos pertinentes à direção do mencionado estabelecimento”, aí se vendo revogadas todas as disposições em contrário; mostrando que o município passava a ser o único responsável pela administração do dito Ginásio, desafiando, por sinal, as quase sempre cambaleantes finanças municipais, parecendo ser isso verdade, pois, a mesma autoridade, em menos de três anos depois, já doava o Ginásio às “irmãs da Sagrada Família”, vindas de Pernambuco, a seu pedido, conforme a Lei 163, de 6 de Fevereiro de 1958, sancionada por ele (José Feliciano), autorizando a Prefeitura “…a doar o prédio do Ginásio Santo Agostinho e respectivo terreno”, às irmãs mencionadas, fato que realmente aconteceu, prestando as religiosas um importante trabalho à educação mineirense, de modo especial aos católicos, após a criação do Instituto Erasmo Braga, tornando-se, assim, precursoras referenciais da história educacional de Mineiros. Contudo, a doação só se efetivou através de cuidadosas condições, merecedoras de transcrição:

I) “O edifício será destinado para nele funcionar um estabelecimento de ensino dirigido por irmãs da Congregação”;

II) O ensino será misto, até que haja nesta cidade, outro estabelecimento de ensino com o curso ginasial para o sexo masculino;

III) Se a Congregação retirar as Irmãs desta cidade, o prédio será revertido à municipalidade, sem direito de qualquer remuneração”.

As Irmãs assumiram a direção do Ginásio em 1º de março de 1958, cumprindo a lei com aulas mistas, ali permanecendo até o ano de 1970, quando reverteram o prédio à municipalidade e se retiram de Mineiros; virando 2ª diretora do Ginásio Santo Agostinho, a irmã Ana Lins Fialho, cognominada irmã Maria de Lourdes, já se podendo, portanto, dizer que, além das irmãs, dirigentes e professoras, lecionaram na Instituição as seguintes pessoas, qualificadas: Maria Eduarda Filgueiras, Afonso Carrijo, rev. Eudóxio Mendes dos Santos e o padre Maximino, falecidos; não podendo ser esquecido que, além de Maria Zaida Veloso Rahal e irmã Maria de Lourdes, que dirigiu a Escola por mais de uma vez, segundo a professora Maria Luíza de Carvalho Luciano, fundadora da Escola Nascentes do Araguaia, ainda foram diretoras as seguintes irmãs: Irmã Maria do Carmo Cordeiro (1960-1961); Laura Albuquerque (1961-1963); Corina Ramos de Vasconcelos (1963-1965); Maria de Lourdes (1966-a-1968); Maria do Carmo Cordeiro Silva (1968-1969) e irmã Marie Thérèse Cance, de 1969 a 1970, quando já se providenciava a criação do Colégio Estadual, que passou a se chamar “José Alves de Assis”, construído pelo engenheiro mineirense Carlos Antônio Luciano, inaugurado em 19 de janeiro de 1971, assunto a ser abordado, não podendo também ser omitido que o Ginásio Santo Agostinho, por certo período, até que se criasse o “José de Assis”, funcionou como escola estadual, época em que professores do nível do inesquecível Juarez Távora, também proferiram aulas.

Merece ser frisado que o velho Ginásio Santo Agostinho, apesar das rixas e os interesses político-ideológicos e religiosos, que chegaram a tumultuar sua vida, está são e salvo; antes de tudo, como a primeira e até o presente, a única edificação da cidade tombada como Patrimônio Histórico-Cultural do Município, através da Lei Municipal n° 750, de 11 de junho de 1997; sendo fundamental realçar que, pela Lei n. 729, de 22 de abril de 1992, foi transformado em Centro Cultural “Santo Agostinho”. Não há destinação melhor. Shakespeare (1564-1616) dizia, em: “Bem está o que bem acaba”. Ato V, que: “Louvar o que está perdido/torna querida a lembrança.”

(Martiniano J. Silva, escritor; advogado; membro do Movimento Negro Unificado (MNU); membro da Academia Goiana de Letras e Mineirense de Letras e Artes, IHGGO, Ubego; mestre em História Social – UFG; professor universitário; articulista do DM; e-mail: martiianojsilva@yahoo.com.br)

Mineiros.com
Conhecida como "cidade saúde", acolhedora e em rápida evolução e crescimento, antigamente denominada a Princesinha do Sudoeste, Mineiros convida todos a uma visita para conhecer e investir nessa promissora cidade. Curta e contribua com o site enviando suas histórias, fotos e sugestões.
RELATED ARTICLES

Most Popular

Recent Comments

Walley Marlos Pereira on José Alves de Assis
Marisley Gomes Martins on José Alves de Assis
Pedro Nicomedes de Rezende on José Alves de Assis
Pedro Carlos Cunha on Dom Eric Deichman & Lavoura
Rildo Rodrigues de Oliveira on Martiniano José da Silva
Rizan Luiz Pereira on Mercadão Municipal de Mineiros
laurecy cabral de mello on Martin Doido
antonio elviro de rezende on Mercadão Municipal de Mineiros
Diomar Rodrigues da Silva on Cachoeiras e riachos belíssimos em Mineiros
claudionor ramos goes on Dom Eric Deichman & Lavoura
Lucinda Freese Alves on Martin Doido
Jailton Araujo on Martin Doido
gilzete on Martin Doido
elias on Martin Doido
NARA RÚBIA on Time dos Gordos – 1964
Vinícius de Queiroz Rezende on Mineiros de Antigamente – Praças
Solene Lopes de Oliveira on Mineiros de Antigamente – Praças
jeovargues b resende on Martin Doido
angela.aparecida.sabina dos santos on Martin Doido
Norma Ataídes Ferreira Mota. on Time dos Gordos – 1964
juraci alves de alcantara on Fundador de Mineiros
degleiber de oliveira on Time dos Gordos – 1964
Carlos |Alberto Flores Chaves on Mineiros de Antigamente – Prefeitura & Comiva
marcelo de oliveira sousa on Mineiros de Antigamente – Praças
WAGNER IRINEU SOUSA on Mineiros de Antigamente – Praças
valter machado costa on Martiniano José da Silva
eide araujo on Mineiros1941-7
Josias Dias da Costa on Mercadão Municipal de Mineiros
João Bosco Barbosa de Souza on Cachoeiras e riachos belíssimos em Mineiros
Ivan Ferreira Domingues on Mineiros de Antigamente – Fotos Aéreas
Mineiros.com on Fundador de Mineiros
silverio on Fundador de Mineiros
Josias Dias da Costa on Fundador de Mineiros
wesley martins da silva on Paulo Freire
jonnathan on Paulo Freire
Celino Alexandre Raposo on Paulo Freire
Nice on Paulo Freire
Rita de Cássia Martins Medeiros Costa on CAD – Cidadania com Amor e Disciplina
Maryland on Paulo Freire
ilcilene ferreira de sousa on A escola serve para que?
ilcilene ferreira de sousa on Mãe e Aluna sobre disciplina do CAD Tol. Zero
Marta Maria de Paula Aragão on CAD – Cidadania com Amor e Disciplina