domingo, junho 13, 2021
InícioArtigosBanho de Bacia

Banho de Bacia

Na roça, ninguém tinha o costume de tomar banho todos os dias. No máximo, se lavava o rosto, os braços e as pernas até na altura do joelho; que era o limite onde conseguíamos arregaçar a calça.

No verão era comum tomarmos banho de bica ou de rio, mas no inverno nem pensar! Toda família tinha uma enorme bacia de folha de zinco, que servia a todos, como uma banheira. A nossa ficava perto do fogão de lenha, num quartinho reservado.osvaldopiccinin

Entre meus irmãos, ninguém queria ser o primeiro, principalmente quando fazia frio. Era “um tal” de vai você primeiro que não tinha fim. Só mesmo quando nossa mãe dava a voz de comando é que a fila andava.

Um enorme caldeirão de alumínio era colocado ao fogão para ferver  água, e nossa mãe, pacientemente, ia temperando a água quente com a fria, e checando a temperatura, com cuidado, até ficar no ponto.

Quando achava que estava no jeito, nos dizia: – experimente, acho que está boa. Era um pé atrás do outro, até nos sentarmos por completo naquela deliciosa água morna!

Enquanto preparava o jantar no nosso charmoso fogão, ela nos ordenava várias vezes: – lave as orelhas, lave o pescoço, tire o encardido dos pés.

O banho tinha que ser rápido, porque os irmãos aguardavam na fila. Usávamos sabão de cinzas – caipira – bucha vegetal ou caco de tijolo para tirar o encardido dos pés.

Após o banho, vinha a enxugada no corpo, coisa que eu detestava que ela fizesse. A impressão que eu tinha é que, nossa mãe, também não tinha muita paciência em realizar esta tarefa, pois as vezes exagerava na pressão da toalha em nosso franzino corpo.

Se ela percebesse que estávamos demorando muito no banho, a bronca era certa; isso quando não, já meio sem paciência, acabava de nos dar o banho. A ordem era: – feche os olhos moleque, senão entrará sabão! E como ardia, este tal de sabão de cinzas, feito com soda cáustica, pinhão manso, cinzas e barrigada de porco!

Os pés da molecada eram “cascorentos” de tanto andar descalços, pisando na lama ou na poeira vermelha. Dizíamos que se pisássemos num prego este entortaria tamanho era o cascão nas solas dos pés.

Meu primeiro banho de chuveiro foi aos doze anos, quando em visita à casa de minha noninha.Claro que achei maravilhoso, e também fiquei maravilhado ao saber que a agua era esquentada através das serpentinas situadas entre as brasas do fogão á lenha.

Confesso que nosso banho de bacia tinha um quê de romantismo, principalmente quando tomado sob a luz de uma lamparina a querosene!

E VIVA O BANHO DE BACIA!

[testimonials style=”1″ margin_top=”” margin_bottom=””][testimonial name=”Osvaldo Piccinin” company=”” href=”” image=”https://mineiros.com/wp-content/uploads/2014/03/osvaldopiccinin2.jpg”]
Osvaldo Piccinin, engenheiro agrônomo, formado pela USP-Esalq, em 1973. Natural de Ibaté, é empresário e agricultor e mora em Campo Grande/MS, colunista do site Mineiros.com, email: osvaldo.piccinin@agroamazonia.com.br.
[/testimonial][/testimonials]

Mineiros.com
Conhecida como "cidade saúde", acolhedora e em rápida evolução e crescimento, antigamente denominada a Princesinha do Sudoeste, Mineiros convida todos a uma visita para conhecer e investir nessa promissora cidade. Curta e contribua com o site enviando suas histórias, fotos e sugestões.
RELATED ARTICLES

Most Popular

Recent Comments

Walley Marlos Pereira on José Alves de Assis
Marisley Gomes Martins on José Alves de Assis
Pedro Nicomedes de Rezende on José Alves de Assis
Pedro Carlos Cunha on Dom Eric Deichman & Lavoura
Rildo Rodrigues de Oliveira on Martiniano José da Silva
Rizan Luiz Pereira on Mercadão Municipal de Mineiros
laurecy cabral de mello on Martin Doido
antonio elviro de rezende on Mercadão Municipal de Mineiros
Diomar Rodrigues da Silva on Cachoeiras e riachos belíssimos em Mineiros
claudionor ramos goes on Dom Eric Deichman & Lavoura
Lucinda Freese Alves on Martin Doido
Jailton Araujo on Martin Doido
gilzete on Martin Doido
elias on Martin Doido
NARA RÚBIA on Time dos Gordos – 1964
Vinícius de Queiroz Rezende on Mineiros de Antigamente – Praças
Solene Lopes de Oliveira on Mineiros de Antigamente – Praças
jeovargues b resende on Martin Doido
angela.aparecida.sabina dos santos on Martin Doido
Norma Ataídes Ferreira Mota. on Time dos Gordos – 1964
juraci alves de alcantara on Fundador de Mineiros
degleiber de oliveira on Time dos Gordos – 1964
Carlos |Alberto Flores Chaves on Mineiros de Antigamente – Prefeitura & Comiva
marcelo de oliveira sousa on Mineiros de Antigamente – Praças
WAGNER IRINEU SOUSA on Mineiros de Antigamente – Praças
valter machado costa on Martiniano José da Silva
eide araujo on Mineiros1941-7
Josias Dias da Costa on Mercadão Municipal de Mineiros
João Bosco Barbosa de Souza on Cachoeiras e riachos belíssimos em Mineiros
Ivan Ferreira Domingues on Mineiros de Antigamente – Fotos Aéreas
Mineiros.com on Fundador de Mineiros
silverio on Fundador de Mineiros
Josias Dias da Costa on Fundador de Mineiros
wesley martins da silva on Paulo Freire
jonnathan on Paulo Freire
Celino Alexandre Raposo on Paulo Freire
Nice on Paulo Freire
Rita de Cássia Martins Medeiros Costa on CAD – Cidadania com Amor e Disciplina
Maryland on Paulo Freire
ilcilene ferreira de sousa on A escola serve para que?
ilcilene ferreira de sousa on Mãe e Aluna sobre disciplina do CAD Tol. Zero
Marta Maria de Paula Aragão on CAD – Cidadania com Amor e Disciplina