quinta-feira, dezembro 2, 2021
InícioEnsino & EducaçãoA presença dos pais na escola

A presença dos pais na escola

Cada vez louva-se mais a participação dos pais na vida escolar. Diante da atual conjuntura social, da rebeldia e violência juvenil que reinam na sociedade e que acabam por se infiltrar nas escolas, diante da dificuldade organizacional por que passam as instituições públicas, por falta de recursos humanos e financeiros, a presença dos  pais e de voluntários da educação, vem sendo vista como de alta valia.

Muitas escolas conseguiram frear a violência, também, graças a atuação de pais referendando, junto aos alunos, posturas disciplinares, morais, impondo respeito, dando exemplo de luta na própria pessoa, atitudes que acabam por influenciar os filhos e os demais colegas. Eles trazem, ainda, a considerada contribuição de a escola se tornar mais autêntica, mais representativa de sua comunidade, conhecendo, entre outros, as crenças, os valores, o trabalho, alcançando mais claramente a identidade cultural do aluno.

Inclusive, há canais oficiais estabelecendo, como obrigatória, a presença dos pais em determinados momentos da escola. O Regimento das Escolas Estaduais prevê o Conselho de Escola, que é a instituição maior de decisão, e nele os pais. Na elaboração do regimento, há um envolvimento conjunto, uma participação ética, reflexiva da escola, dos pais e dos alunos. O  Conselho de Escola é o responsável  pela formulação do regimento e através dele os pais passam a ter mais influência na determinação das diretrizes da escola. O Conselho é composto por representantes da direção, dos professores, dos funcionários, dos pais e dos alunos.

Uma das reclamações da escola é a dificuldade em atrair, para ela, os pais. Mesmo nas solicitações das reuniões de Pais e Mestres são poucos os que se fazem presentes, tratando-se de escola estadual. Por parte dos pais, surgem, eventualmente, queixas de falta de respaldo às suas sugestões.

Faz-se necessário que escolas e pais se encontrem, se harmonizem e prosperem juntos em benefício da educação. A escola não é mais uma redoma de vidro; é imprescindível para a sua subsistência que se abra à comunidade, que crie mecanismos de parcerias, que se renove, ajustando-se ao mundo moderno. Nessa sua empreitada, os pais e os voluntários da educação podem tornar-se amuletos, estímulos na abertura de caminhos.

A escola não pode desprezar essa fonte de colaboração; precisa afastar-se do autoritarismo, do semblante monopolista do passado, da posição eqüidistante, e só chamar os pais para relatar aspectos negativos, faltas cometidas ou baixo rendimento escolar do filho. Ela precisa, sabiamente, aprender a trabalhar com a diversidade, com a pluralidade de concepções e de idéias, enriquecendo-se com a troca, com o diálogo.

Uma escola bem organizada, que tem bem definidos os seus propósitos, os seus critérios, não tem por que temer a participação comunitária, temer a perda da autonomia de que, hoje, é portadora. O projeto pedagógico, seu desenrolar, são de absoluta competência da escola, não devendo haver, nessa linha, interferência externa. Poderão surgir sugestões de mudança, cuja decisão ficará a cargo da escola. Ela é a salvaguarda do currículo, da metodologia aplicada. Cada coisa tem seu lugar, cada função, seu representante.  Aos pais competem inteirar-se do processo ensino-aprendizagem e acompanhá-lo, devidamente.

Há várias maneiras de se conquistar os pais, de fazê-los membros coadjuvantes da organização escolar. Iniciativas como festas nas escolas, apresentação de teatro, de coral, competições esportivas, campanhas culturais, excursões, atividades extracurriculares facilitam e favorecem o encontro, que se bem conduzido traz a conscientização. Com a participação vão se abrindo os espaços.

  • A escola deve refletir a sua realidade social, a realidade de vida do aluno, manter um currículo articulado, contextualizado e nada melhor do que os pais para favorecer a integração, servir de ponte entre a escola e a comunidade.

As escolas, adaptando-se aos novos tempos, vêm se programando para atividades fora das salas de aula. O modelo antigo de educação, com professores só cumprindo o currículo, não satisfaz mais ao aluno e ao conhecimento amplo, diversificado, que o mundo de hoje exige. Ademais, as atividades extraclasses tornam o ensino mais atrativo. Nessas atividades, como nas excursões, a presença dos pais é aspecto valioso para a consecução dos objetivos, permitindo um melhor resultado.

Com a divulgação da medicina profilática, a preocupação dos pais, com o que os filhos comem fora de casa, é uma constante. Aqui, também, é salutar a participação dos pais, na orientação da merenda escolar, passando ensinamentos sobre alimentação balanceada, ajudando nas suas composições, nas proporções adequadas de gordura, de construtores, de reguladores, de carboidratos ou, então, supervisionando as cantinas escolares. Os experientes profissionais podem utilizar a sala de aula – nas ausências dos professores ou em horários extras – para dar noção, introduzir o aluno em suas profissões, despertando eventuais vocações.

Em quantas atividades escolares não podem ser aproveitada a presença dos pais e dos voluntários da educação! Eles mesclam o ambiente escolar com o ambiente familiar, passam uma imagem de amor, de solidariedade, de força de trabalho, demonstrando, nessa participação, a intenção de ajudar a construir um mundo melhor, a partir da escola, a partir da sala de aula.

  •  Izabel Sadalla Grispino
  • Supervisora de ensino aposentada.

Veja também reportagem da visão dos Portugueses a respeito da participação dos pais na escola:

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=oYSC6IO1XIg&feature=related[/youtube]

Mineiros.com
Conhecida como "cidade saúde", acolhedora e em rápida evolução e crescimento, antigamente denominada a Princesinha do Sudoeste, Mineiros convida todos a uma visita para conhecer e investir nessa promissora cidade. Curta e contribua com o site enviando suas histórias, fotos e sugestões.
RELATED ARTICLES

Most Popular

Recent Comments

Walley Marlos Pereira on José Alves de Assis
Marisley Gomes Martins on José Alves de Assis
Pedro Nicomedes de Rezende on José Alves de Assis
Pedro Carlos Cunha on Dom Eric Deichman & Lavoura
Rildo Rodrigues de Oliveira on Martiniano José da Silva
Rizan Luiz Pereira on Mercadão Municipal de Mineiros
laurecy cabral de mello on Martin Doido
antonio elviro de rezende on Mercadão Municipal de Mineiros
Diomar Rodrigues da Silva on Cachoeiras e riachos belíssimos em Mineiros
claudionor ramos goes on Dom Eric Deichman & Lavoura
Lucinda Freese Alves on Martin Doido
Jailton Araujo on Martin Doido
gilzete on Martin Doido
elias on Martin Doido
NARA RÚBIA on Time dos Gordos – 1964
Vinícius de Queiroz Rezende on Mineiros de Antigamente – Praças
Solene Lopes de Oliveira on Mineiros de Antigamente – Praças
jeovargues b resende on Martin Doido
angela.aparecida.sabina dos santos on Martin Doido
Norma Ataídes Ferreira Mota. on Time dos Gordos – 1964
juraci alves de alcantara on Fundador de Mineiros
degleiber de oliveira on Time dos Gordos – 1964
Carlos |Alberto Flores Chaves on Mineiros de Antigamente – Prefeitura & Comiva
marcelo de oliveira sousa on Mineiros de Antigamente – Praças
WAGNER IRINEU SOUSA on Mineiros de Antigamente – Praças
valter machado costa on Martiniano José da Silva
eide araujo on Mineiros1941-7
Josias Dias da Costa on Mercadão Municipal de Mineiros
João Bosco Barbosa de Souza on Cachoeiras e riachos belíssimos em Mineiros
Ivan Ferreira Domingues on Mineiros de Antigamente – Fotos Aéreas
Mineiros.com on Fundador de Mineiros
silverio on Fundador de Mineiros
Josias Dias da Costa on Fundador de Mineiros
wesley martins da silva on Paulo Freire
jonnathan on Paulo Freire
Celino Alexandre Raposo on Paulo Freire
Nice on Paulo Freire
Rita de Cássia Martins Medeiros Costa on CAD – Cidadania com Amor e Disciplina
Maryland on Paulo Freire
ilcilene ferreira de sousa on A escola serve para que?
ilcilene ferreira de sousa on Mãe e Aluna sobre disciplina do CAD Tol. Zero
Marta Maria de Paula Aragão on CAD – Cidadania com Amor e Disciplina