Os indignados de Mineiros

0
353

Assim como pelo Brasil e o mundo afora, em Mineiros, extremo Sudoeste Goiano, também existem indignados, se insurgindo contra os desmandos públicos no país e na região, mostrando que por aqui o povo não está dormindo em berço esplêndido, ad eternam. O velho desejo latente aflorou, tornou-se impactante e agitado, avisando às autoridades e ao país, que agora a manifestação pública é pra valer, não tem retorno ou intuito de causar somente um susto, já que todos os meios polidos de buscar soluções estão esgotados, viraram paroxismo, me fazendo lembrar, a guisa de ilustrar, a sabedoria deixada por Bertolt Brecht, em “No Caminho com Maiakovski”, ensinando aos que abusam da paciência do povo:

“Na primeira noite, eles se aproximam e roubam uma flor do nosso jardim: não dizemos nada. Na segunda, já não se escondem. Pisam as flores, matam o nosso cão e não dizemos nada. Até que um dia o mais frágil deles entra sozinho em nossa casa rouba-nos a luz e, conhecendo o nosso medo, arranca-nos a voz da garganta. E já não podemos fazer nada”.MartinianoJSilvaMineiros

Certamente, os revoltados de Mineiros chegaram ao fundo do poço; notando-se que não são apenas as mil pessoas que ousaram participar de uma manifestação política no dia 20 de junho do ano em curso, liderada pelo acadêmico de direito Felipe Silva Magro, Laís Quadro, Márcia, Igor Lucaroni e alguns poucos que nem apareceram com receio de serem retaliados pelos resquícios do coronelismo ainda de plantão na cidade. Os outros irados, ainda mais injustiçados, mais vezes silenciados e esquecidos, estão, sobretudo nos bairros distantes e mais pobres da urbe mineirense: Taninho, Perobeira, Cedro, irônica Vila da Paz, inadequados casebres à beira de córregos, exibindo racismo ecológico e os dos assentamentos públicos, maltratados, sem poder esquecer – dentre outros, os deslembrados nos descaminhos da saúde pública, na peregrinação intolerável por um teto pra morar, e os parentes dos que morrem por acidente, de trânsito, por exemplo, enquanto aguardam, horas a fio, a perícia técnica que vem de fora, sendo assim que todos estão indignados quando suicidam ou quando morrem por doenças que não tiveram tratamento, no momento adequado.

De todo modo, a manifestação política de Mineiros é importante, singular, histórica, filosófica, vislumbrando o futuro. Mineiros ajudou a acordar o gigante, dizendo que vem pra rua combater a corrupção e outras mazelas públicas do Brasil e locais. Foi assim que chegou às ruas, postulando seus direitos, alguns ainda meio confusos. As emissoras, Verde Vale e Eldorado, além de noticiar o fato, fizeram entrevistas através das repórteres Erô e Tatiane e Plantão Policial.  As redes sociais divulgaram. O povo viu e aplaudiu.  O jornal local, Folha do Planalto, Ano II, edição 21, junho de 2013, direção da jornalista Adriane Steinmetz, registrou o fato, com destaque de primeira página: “Em Mineiros a população também saiu de casa e cerca de mil pessoas participaram da manifestação”, descrevendo alguns resultados que já começavam a ser vistos no Brasil, prosseguindo o jornal:

“O representante da manifestação no município, o acadêmico de direito Felipe Silva Magro, comentou sobre a quantidade de pessoas no movimento. De acordo com a polícia militar, estiveram presentes cerca de mil manifestantes, entretanto em conversa com várias pessoas que observaram o manifesto, acredito terem comparecido cerca de 1.400 pessoas no decorrer da caminhada. Vale ressaltar que tivemos aproximadamente 2.000 pessoas confirmadas no Facebook, e cerca de 600 que talvez compareceriam”. No depoimento feito à jornalista, Felipe informa que “as reivindicações da manifestação foram pelas melhorias nas diversas esferas públicas. Ou seja, ao município de Mineiros, ao estado de Goiás e ao Governo Nacional”, acrescentando que a principal reivindicação é uma mudança de postura da classe política como um todo, o povo anseia por uma maior seriedade na gestão do patrimônio público, queremos que os governantes lutem pelos anseios da sociedade, pois atualmente não nos sentimos realmente representados, chega de governantes trabalhando por interesses pessoais ou de terceiros. Um basta na impunidade, o brasileiro está cansado de tanta corrupção!  Queremos que os nossos impostos retornem como benefícios, o brasileiro precisa urgentemente de saúde, educação, segurança, estamos cansados de viver em um país que aparenta ser o que não é”, finalizando:

“Nossos governantes tem que entender que é direito do povo fiscalizar e cobrar sempre que for necessário. Tenho certeza que a partir de agora, os políticos vão pensar duas vezes antes de tomar uma decisão, pois sabem que o povo está de olho! No âmbito municipal foi muito importante demonstrar que os mineirenses podem se unir independente de partido político, e sem festa! Presenciamos pessoas de várias opções partidárias unidas por uma só causa, um futuro melhor para a nossa cidade!”

O movimento era apartidário, havendo pessoas que tentaram desvirtuá-lo ou dele se aproveitar, querendo “crescer” politicamente, fato repudiado, difícil de ser compreendido na sua essência pelos mineirenses e a própria sociedade brasileira, onde ainda são muitos os conservadores, de mente colonizada, alienados, néscios, achando que são donos do pedaço. Cidade extremamente partidária, tradicional, Mineiros precisa deixar para trás décadas e décadas de rixas políticas. Queremos uma cidade de todos para todos. Chegou a hora de amadurecer. O cosmopolitismo, inclusive político, está por aqui. As velhas rixas político-partidárias prejudicam sobremodo a cidade.  Será que ninguém percebe?  A “nossa revolta não se resume ao partido X ou Y”, já foi dito. “Queremos seriedade e eficiência, seja lá quem esteja investido no cargo político”, adverte Felipe. Mostrando toda ironia da indignação, transcrevo as frases que se seguem:

“Enquanto a bola rola, falta saúde e falta escola. Saúde pública faz mal à saúde. Nós vibramos noutra frequência. Japão, eu troco o nosso futebol pela sua educação. O povo unido, não precisa de partido”.  A última frase precisa ser explicada pois, só em parte, retrata a realidade. O fato dos partidos políticos brasileiros, com ênfase os de aluguel, estarem defasados, anacrônicos e desacreditados, por falta de ideologia, fundamento programático e outros requisitos essenciais, não significa que não são imprescindíveis à democracia, ao Estado Democrático de Direito, como aliás, exige o Direito Constitucional em vigor. Assim, ou se reciclam ou desaparecem, na emergência de outros. Seus dirigentes, se continuarem como seus “donos”, confundindo liderança com chefia, também tem morte anunciada.

Manifestação noturna, pacífica, sem incidente, bafafá e ninguém pousar nu, típica de classe média, representada pela grande maioria da mocidade e só uns gatos pingados dos mais velhos. Trata-se de geração sequiosa, com certo status econômico-social, exigindo urgente melhoria no serviço público, de Mineiros e do país, quase sempre distribuído aos aliados de quem está investido no poder político, aí se vendo um dos piores vícios da práxis política brasileira, que o movimento dos indignados cá da urbe também quer erradicar. Foi assim que se articulou e se reuniu na Praça do Bauhaus, Avenida José Joaquim de Rezende, apelidada “Jardim”, onde não admitia a presença de político, hipocrisia e cinismo, ali começando o seu protesto na entoação do Hino Nacional, na reza do Pai Nosso, na suspensão da Bandeira Brasileira e no deboche e desabafo de cartazes e fachas carregados por moças e mulheres do rosto pintado; dali descendo pela Sexta Avenida, antiga Rua Goiânia, até a Praça José de Assis, na Câmara Municipal, onde o destaque foi uma forte vaia contra o descaso dos políticos; seguindo para a Prefeitura, na Praça Coronel Joaquim Carrijo, onde o realce foi outra vaia, verdadeiramente bararé, com o mesmo objetivo, a ponto do prefeito Agenor Rezende, dois dias depois, ter ido a uma emissora de rádio local fazer explicações; retornando pela Avenida citada, até a esquina com Avenida Antônio Carlos Paniago, na Praça da “India América”, monumental relíquia artístico- histórica do artista plástico Sinval Carvalho, de onde se dispersou, ainda revoltada, prometendo mais protestos.

(Martiniano J. Silva, escritor, advogado, membro do Movimento Negro Unificado (MNU), da Academia Goiana de Letras e Mineirense de Letras e Artes, IHGGO, UBEGO, mestre em História Social pela UFG, professor universitário, articulista do DM – martinianojsilva@yahoo.com.br)

Compartilhar
Mineiros.com
Conhecida como "cidade saúde", acolhedora e em rápida evolução e crescimento, antigamente denominada a Princesinha do Sudoeste, Mineiros convida todos a uma visita para conhecer e investir nessa promissora cidade. Curta e contribua com o site enviando suas histórias, fotos e sugestões.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here