Assum Preto, pobre pássaro!

0
565
passaro preto mineiros

“Tudo em vorta é só beleza, sol de abril e a mata em flor, mas Assum Preto cego dos “óio” não vendo a luz, ai, canta de dor”.

A primeira vez que ouvi esta música, interpretada pelo saudoso e carismático Luiz Gonzaga, quase chorei de pena desta pobre ave, tamanha malvadeza com a bichinha! É muita maldade do homem fazer uma judiaria dessa, com um pássaro tão indefeso.osvaldopiccinin

A princípio cheguei a pensar tratar-se de uma letra inventada para ter sucesso, devido da comoção gerada, mas depois. de me informar melhor, constatei que era um caso verídico. E isso acontecia com frequência no sertão do nordeste brasileiro.

Voltei ao passado, e fiz uma retrospectiva da minha infância na roça, quando prendíamos pássaros canoros silvestres, numa gaiolinha, para egoisticamente ouvir seu canto. Neste caso a avezinha era muito bem tratada, porque, para nós, ter um pássaro cantador, era sinal de status.

Aos domingos, nos reunimos num local central da colônia, cada qual com sua gaiola, para mostrar e ouvir nossos prisioneiros dobrarem até ficarem cansados e de língua de fora. Voltávamos felizes quando eles não nos decepcionavam. Recebíamos propostas de compra ou troca por outro pássaro. Eu nunca vendi um dos meus!

Meu canarinho da terra parecia ficar triste quando via outro colega, livre e solto se aproximar da sua gaiola. E, eu percebia isso, mas não queria acreditar. Ele era meu tesouro, juntamente com meu cachorro de nome Tarzan.

“Sou aquele canarinho, que cantava em sua janela. Eu voava livre fazendo serenata para minha amada, hoje sou prisioneiro e vivo triste nesta gaiola”. Mais ou menos, seriam estas as palavras que ele iria me dizer, se falar pudesse, tal qual a letra de uma conhecida música sertaneja.
Voltamos ao Assum Preto. Trata-se de um belo pássaro de cor negra, que vive nas caatingas do nordeste e canta apenas à noite, quando já bastante escuro. O sertanejo, que leva uma vidinha apertada, passando necessidade muitas vezes, caça-o e prende numa gaiola.

Para vender aos turistas que por lá trafegam, visando alguns trocados para seu sustento, furam seus dois olhinhos com espinho de laranjeira, para que na escuridão eterna de sua cegueira, cante sem parar, dia e noite, encantando o incauto comprador.

Ao levá-lo para casa, nota que a pobre ave vai ficando jururu e emitindo apenas uns melancólicos assobios – prenúncio de uma morte próxima. Seu frágil corpo vai se definhando a cada dia e em breve estará morto de tristeza e de fome.

Mais um ser indefeso que alegrava a sinfonia da natureza foi- se embora. A quem reclamar? Não vem com garantia. O ingênuo comprador nem sequer sonha com a maldade feita ao pássaro. Foi enganado.

“Assum Preto seu cantar, é tão triste como o meu, também roubaram o meu amor, que era a luz dos zóios meus”! “Talvez por ignorância ou maldade das pió, furaram os oios do Assum Preto, para ele assim cantar mió”.

Assim como o Assum Preto, as pessoas mais humildes deste mudo, muitas vezes são cegadas e emudecidas pela prepotência e ganância dos poderosos. Definham-se num interminável sofrimento pela vida afora arrastando um fio de esperança por dias melhores.

“ Maior o coqueiro, maior é o tombo do coco afinal, todo mundo é igual, todo mundo termina com terra por cima na horizontal”

E VIVA A LIBERDADE DO ASSUM PRETO!

[testimonials margin_top=”” margin_bottom=””][testimonial name=”Osvaldo Piccinin” company=”” href=”” image=”http://mineiros.com/wp-content/uploads/2014/03/osvaldopiccinin2.jpg”]
Osvaldo Piccinin, engenheiro agrônomo, formado pela USP-Esalq, em 1973. Natural de Ibaté, é empresário e agricultor e mora em Campo Grande/MS, colunista do site Mineiros.com, email: osvaldo.piccinin@agroamazonia.com.br.
[/testimonial][/testimonials]

Compartilhar
Mineiros.com

Conhecida como “cidade saúde”, acolhedora e em rápida evolução e crescimento, antigamente denominada a Princesinha do Sudoeste, Mineiros convida todos a uma visita para conhecer e investir nessa promissora cidade. Curta e contribua com o site enviando suas histórias, fotos e sugestões.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here